Implicâncias

Prometi a Srª Dª Urtigão uma melhor explicação de minha discordância em considerar heróicos os feitos dos atletas olímpicos, se as conseguisse esclarecer para mim mesmo. Porque esse ponto é independente da minha oposição aos jogos recém encerrados em Pequim, e ao regime que a patrocinou, de resto expressa em minha adesão incondicionada ao texto de Marcelo Coelho publicado na Folha de S. Paulo de 06.08.2008.

Por ter por base sentimentos e opiniões muito pessoais a respeito do assunto, queria deixar claro que não tenho a menor intenção de polemizar o assunto, ou melhor, de contestar como erradas as opiniões diferentes da minha.

Acho “herói” uma daquelas palavra que não deveriam ter seu conceito gasto pelo uso irrefletido. Quanto ao conceito, fico com o de Joseph Campbell, tão versado no assunto, e ser humano muito de minha admiração: “Uma das muitas distinções entre a celebridade e o herói é que um vive apenas para si, enquanto o outro age para redimir a sociedade. O objetivo último da busca não será nem evasão nem êxtase, para si mesmo, mas a conquista da sabedoria e do poder para servir aos outros.” (fonte: Wikiquote)

Talvez pela raridade dessa motivação entre os seres humanos ordinários, são muito poucos os verdadeiros heróis, por essa definição, que não sejam míticos. Pressionando a memória por exemplos de heróis reais e contemporâneos, vêm-me nomes como Gandhi e Martin Luther King.

Assim, o talento excepcional de um indivíduo, e seus feitos ao exercitá-lo, não constituem necessariamente atos de heroísmo, se não têm a intenção – e o resultado ao menos potencial – de conquista a transcender o indivíduo, se o indivíduo não exercita seu talento generosamente, como instrumento para o serviço a outrem. Algo, aí, a ver com minhas impressões sobre ética e renúncia.

Tenho reservas ao apelo – propagandístico e publicitário, sobretudo – ao orgulho de todo um povo pelos feitos e talentos excepcionais de alguns de seus integrantes, porque vejo nisso muito claramente uma forma de falsear a semântica desses atos. Como se – vamos ao exemplo – a indiscutível habilidade automobilística de um Ayrton Senna (em tempo, nada tenho contra ele!), associada ao traço comum de sermos ambos brasileiros, beneficiasse a mim – e aos demais brasileiros.

A mistificação do atleta raciocina como se, ao aplicar sua força, sua habilidade e seu equilíbrio para vencer provas e disputas, então, o esportista estivesse engrandecendo todo o povo de que é oriundo. Por esse gesto generoso e despreendido, então, caber-lhe-ia o título de herói. Mas eu discordo.

Não que me seja estranho o sentimento de ser brasileiro. Mas esse sentimento, para mim, deve parar no mero afeto (um pouco menos, até: simples conforto, familiaridade) naturalmente dedicado ao espaço e à cultura que me acompanham desde o nascimento. Não autoriza considerá-los superiores aos de outrem. Não autoriza sequer a comparação com os de outrem.

Tenho consciência de que não faço coro com a multidão ao pensar assim. E de que muitos me consideram um chato de galocha. Nem acho que possa sentir-me superior a quem quer que seja por conta disso. Mas é uma forma de raciocínio pessoalmente importante, que ordena a minha consciência e o meu relacionamento com o mundo à minha volta.

Não sou incapaz de torcer por um(a) atleta numa competição, nem de admirar as habilidades e talentos que demonstra. Mas causa-me uma espécie de alergia moral o endeusamento dos mesmos pelos meios de comunicação, a imposição de sua imagem, a reiteração de seus momentos, como se ali estivesse acontecendo algum exemplo de momento histórico crucial para toda uma nação. Não está. E a prova de que não está é que todos já os esqueceram, e só não esqueceram onde fica Pequim porque agora lá estão acontecendo as paraolimpíadas.

E, a propósito, depois delas, independente de quantas medalhas os para-atletas (nem sei se existe a palavra, mas vocês entenderam…) brasileiros ganhem, as cidades brasileiras continuarão sem semáforos sonoros e sem rampas nas guias das calçadas. Ou seja, , não vai mudar em absolutamente nada a vida dos “para-não-atletas”, que estão para os para-atletas assim como eu, ser sedentário e descuidado, estou para qualquer um dos jogadores da seleção brasileira de vôlei.

E já que estamos falando de forma física, ou, ao menos no meu caso, da falta dela, será que só eu fiquei perplexo com as formas inumanas e monstruosas adquiridas pelos corpos de vários(as) atletas, em virtude do exercício intenso (e sabe-se lá mais do quê)? Será mesmo que esse pináculo, essa realização plena da existência humana, exige adquirir a silhueta de um vilão de video-game?

Não, acho que a projeção do esporte e dos esportistas pelos meios de comunicação (não só aqui como em tantos outros países) é um abuso do efeito magnético que seus feitos têm sobre as pessoas, destinado exclusivamente a ganhar o muito dinheiro que pode ser ganho com isso.

Anúncios

One Response to Implicâncias

  1. Em primeiro lugar, peço desculpas pela demora em vir até aqui, mas passei dias em estradas, indo e vindo, para atender necessidades de filhos (e minhas carências). E, afinal, gosto do meu “bólidozinho” solto pelas ilusòriamente intermináveis estradas e gosto muito das paisagens, portanto o esforço nem é heróico, apenas prazeiroso. Como é sempre um prazer ler suas análises claras e brilhantes. E, posso até ter dado uma impressão errada, mas concordo com elas. Como discordo da condição de se afastar o humano de si pela produção constante do espetáculo, mesmo quando à custa da ética ou da integridade. Pois afinal, como seriamos consumidores se nos fosse permitido refletir?
    Um abraço e cada vez mais, admiração.

    Resposta d’O Impressionista:
    Antes de outra coisa, não precisa pedir desculpas: primeiro porque o tempo do blog é o tempo das garrafas com mensagens, atiradas ao mar (é o tempo do mar carregá-las até onde bem entenda); segundo, suas idas e vindas e as necessidades que as motivam são a vida propriamente; isto aqui, na internet, é outra coisa, bem legal porém acessória em relação ao que é realmente importante. Sei como se sente pois também gosto de dirigir, apenas tenho um pouco de medo dos outros, muitos dos quais são muito imprudentes, e até mesmo de mim, que me contenho e busco ficar atento, mas não sou perfeito.
    Enfim, não supus que você discordasse ou concordasse. Li a mensagem que você me indicou e, me sentindo em discordância com aquele texto, procurei me entender para entender a razão. Achei as razões – talvez apenas “implicâncias”, como as chamei – que achei justo compartilhar, mas são apenas as razões de como me sinto em relação a essas coisas, e não de como são (ou não são mas deveriam ser). Deus me livre de querer impor meu sentimento, apelidando-o de “verdade”, a quem quer que seja. Um grande abraço, e muita gratidão por sua atenção às minhas palavras. Sinto-me honrado.

Há espaço para comentários, que só são publicados após dupla moderação, automática e manual. Mensagens ofensivas ou sectárias serão eliminadas automaticamente pelo software, e provavelmente ninguém jamais as lerá, por isso o tempo de escrevê-las é perdido desde o início.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: