Músicas de mim – I (Raiz)

Fado Tropical

(1972-1973: Chico Buarque de Hollanda; Ruy Guerra)

Oh, musa do meu fado
Oh, minha mãe gentil
Te deixo consternado
No primeiro abril
Mas não sê tão ingrata
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

[Recitativo] “Sabe, no fundo eu sou um sentimental
Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dose de lirismo (além da Sífilis, é claro)
Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar,
trucidar
Meu coração fecha aos olhos e sinceramente chora…”

Com avencas na caatinga
Alecrins no canavial
Licores na moringa
Um vinho tropical
E a linda mulata
Com rendas do Alentejo
De quem numa bravata
Arrebato um beijo
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

[Recitativo] “Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto
De tal maneira que, depois de feito
Desencontrado, eu mesmo me contesto

[Recitativo] Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intenção e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito
Me assombra a súbita impressão de incesto

[Recitativo] Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadura à proa
Mas o meu peito se desabotoa

[Recitativo] E se a sentença se anuncia bruta
Mais que depressa a mão cega executa
Pois que senão o coração perdoa”

Guitarras e sanfonas
Jasmins, coqueiros, fontes
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre Trás-os-Montes
E numa pororoca
Deságua no Tejo

Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um império colonial

Anúncios

4 Responses to Músicas de mim – I (Raiz)

  1. os versos “se trago as mãos….” são das frases que me acompanham desde a juventude, pois sempre as entendi como descrição de certa parte de mim. Curioso encontrar toda a poesia aqui. (Fiquei tão surpresa quando vi, que li e fugi correndo, só voltando hoje… Acho que senti medo de ser revelada. hshshs)

    • A música embala esses versos que falam de um jeito de ser de uma gente. Sendo a minha gente, falam de um jeito de ser que me permeia e me cerca. Falam de uma porção de outras coisas também, e foi no seu blog que deixei minha impressão de que a poesia medeia nosso saber e o que ele pode alcançar sobre nós mesmos e sobre o universo. O resto já foi dito por Cecília Meireles:

      Ai, palavras, ai palavras,
      que estranha potência, a vossa!
      Ai, palavras, ai palavras,
      sois o vento, ides no vento,
      e, em tão rápida existência,
      tudo se forma e transforma!
      Sois de vento, ides no vento,
      e quedais, com sorte nova!
      Ai, palavras, ai palavras,
      que estranha potência, a vossa!
      Todo o sentido da vida
      principia à vossa porta;
      o mel do amor cristaliza
      seu perfume em vossa rosa;
      sois o sonho e sois audácia,
      calúnia, fúria, derrota…
      A liberdade das almas,
      ai! com letras se elabora…
      E dos venenos humanos
      sois a mais fina retorta:
      frágil como o vidro
      e mais que o são poderosa!
      Reis, impérios, povos, tempos,
      pelo vosso impulso rodam…

  2. Penso que a poesia, mais do que qualquer outra forma de uso da linguagem, é o modo pelo qual nos aproximamos de nós mesmos, pois em cada uma, completa ou em algum dos versos, encontramos algo de nós ou do que necessitamos e então as fazemos nossas tambem. (As poesias, as descobertas)
    De todos os usos das palavras é o menos mentiroso, posto que em si já não é uma verdade, apenas projeções.

  3. Por incrível que pareça, essa é a música que eu mais gosto, das cantadas pelo Chico. Sim, sou meio suspeita porque o amo, porém, ao contrário do que muitos dizem, quanto a péssima voz que ele tem -não os desminto inteiramente-, não imagino esse fado cantado por outra voz. Não imagino outra interpretação; uma que seja tão sangue e tão alma, quanto a dele. Belíssimo!

Há espaço para comentários, que só são publicados após dupla moderação, automática e manual. Mensagens ofensivas ou sectárias serão eliminadas automaticamente pelo software, e provavelmente ninguém jamais as lerá, por isso o tempo de escrevê-las é perdido desde o início.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: